boutique officielle DMC

Contacte-nos : 21 426 65 20

História da DMC

    Há 265 anos, em 1746, a arte e o comércio uniram-se devido à iniciativa do artista de 23 anos Jean-Henri Dollfus, que fundou uma sociedade com dois outros jovens empreendedores, Jean Jaques Schmalzer e Samuel Koechlin. Aproveitando a moda da época de tecidos pintados e o talento de Jean-Henri, tornaram-se pioneiros na Europa na produção de estampas indianas pintadas à mão.

    Durante muitos anos a empresa dedica-se a uma única actividade: estampagem sobre tecidos. Os dois irmãos Jean-Henry e Jean Dollfus asseguram em conjunto a direcção.

    Numa altura em que o termo "globalização" não era tão comum como nos dias de hoje, estes dois homens já tinham a ambição de alargar os horizontes da empresa a nível internacional, exportando os seus tecidos para todo o mundo.
    Em finais do século XVIII, o sobrinho de Jean-Henri Dollfus, Daniel Dollfus, toma a seu cargo a direcção da sociedade familiar. Na primavera de 1800 casa com Anne-Marie Mieg e une o nome da sua mulher ao seu, prática corrente nessa época.

    Assim no decurso desse mesmo ano dá à empresa a sua nova razão social: Dollfus-Mieg & Compagnie ou D.M.C..
    Em 1818 é a vez de Jean Dollfus-Mieg retomar a sociedade do seu pai, que se concentra na qualidade, na comercialização e no serviço.

    O filho de Jean Dollfus-Mieg, ao realizar em 1850, os seus estudos em Leeds, Inglaterra, descobre a invenção do químico John Mercer- "a mercerização"- processo que consiste em passar um fio de algodão em soda cáustica, modificando assim esta fibra, de forma a torná-la resistente e de grande duração, mantendo embora o seu aspecto sedoso.

    O fabrico do primeiro fio de algodão pertence, assim, à família Dollfus...
    É também no século XIX que a DMC estabelece laços sólidos com a célebre bordadeira Therese de Dillmont. A amizade que une esta mulher de talento e Jean Dollfus-Mieg leva-a a mudar-se para Dornach, cidade próxima de Moulhouse, onde ela cria a sua própria escola de bordados com o apoio da DMC.

    "Ouvrage de Dames" editada em 1886 e depois traduzida e publicada em 17 países, tem a assinatura de Therese e é a maior obra que esta especialista de bordados dedica a esta arte.
    Entretanto, as duas guerras mundiais retardam a produção e em 1961 a empresa funde-se com Thiriez & Cartier Bresson. A nova sociedade assim criada mantém o nome DMC, mas adapta o logótipo de Thiriez & Cartier Bresson, a cabeça do cavalo, tão célebre actualmente.

    Hoje, o grupo DMC é uma organização internacional fabricante de linhas destinadas a consumidores e à indústria de têxteis e outros produtos derivados. O compromisso da empresa à qualidade e à criatividade é tão forte hoje como no século XVIII. A divisa da família Dollfus, datada de há mais de 2 séculos, conserva toda a sua autenticidade:

    Tenui filo magnum texitur opus  -  "De um simples fio, nasceu uma obra de arte"